Misturadores de Gases, Analisadores de Gases, Reguladores de Pressão e Válvulas

Guia Completo sobre Misturadores de Gases e suas diversas aplicações

Autor: Miguel Gil

contato@managas.com.br

Quais são os gases utilizados na conservação de alimentos?

Gases utilizados em Conservação de Alimentos

Os gases mais utilizados na conservação de alimentos são o Dióxido de Carbono (CO2), Nitrogênio (N2) e Oxigênio (O2).

Em menor escala, gases como Monóxido de Carbono (CO), Argônio (Ar), Hidrogênio (H2) e Hélio (He) também são utilizados.

ÍNDICE:

1. Conservação de Alimentos: Embalagem de Atmosfera Modificada

O Oxigênio contido no ar atmosférico estimula o desenvolvimento microbiológico, acelerando diversos processos de deterioração nos alimentos, tais como: alteração da cor, textura, sabor e causa impacto direto na redução do prazo de validade.

A conservação de alimentos através do uso de embalagem de atmosfera modificada é realizada pela retirada do ar do interior da embalagem e substituição por uma mistura de gases contendo Oxigênio (O2), Nitrogênio (N2) e Dióxido de Carbono (CO2) os quais envolvem o alimento embalado.

A escolha da mistura de gases adotada e respectiva concentração é influenciada pela microbiota capaz de crescer no alimento, sensibilidade ao Oxigênio e Dióxido de Carbono e estabilidade da cor almejada.

Exemplo: preservação da oximioglobina em carne fresca e nitrosomioglobina em produtos cárneos curados.

2. Benefícios da Embalagem de Atmosfera Modificada

• Maior “shelf-life”/Extensão do tempo de Validade/Melhor Qualidade do Alimento
• Menor desperdício
• Mais faturamento
• Embalagens mais atraentes ao consumidor

Para maiores o guia completo sobre Embalagem de Atmosfera Modificada, por favor siga o link a seguir: https://www.managas.com.br/blog/conservacao-de-alimentos/como-aumentar-o-tempo-de-validade-de-alimentos-map-eam/

3. Conservação de Alimentos: Oxigênio

O Oxigênio, O2, geralmente estimula o crescimento de bactérias aeróbicas e inibe o crescimento de anaeróbicas estritas, embora exista uma grande variação da sensibilidade de anaeróbios ao Oxigênio (O2).

A presença de oxigênio é mais importante no armazenamento de carnes frescas visando manter o pigmento da carne, mioglobina em sua forma oxigenada, oximioglobina, que fornece à carne fresca a cor vermelha característica. Baixos níveis de Oxigênio (0,5%) podem ocasionar uma coloração marrom em carnes resfriadas.

Além disso, o oxigênio é responsável por muitas reações indesejadas nos alimentos, incluindo oxidação e rancificação de gorduras e óleos, rápido amadurecimento e senescência de frutas e vegetais, alterações na cor e deterioração ocasionada pelo crescimento de bactérias aeróbias.

Graças aos efeitos negativos citados, o O2 é geralmente evitado na embalagem de atmosfera modificada de vários produtos.

Por outro lado, sua presença em pequenas quantidades é necessária para alguns alimentos. Por exemplo, em muitas frutas e vegetais, para permitir seus processos básicos de respiração aeróbia e em carnes vermelhas, para manter a cor vermelha das carnes frescas.

No entanto, para a maioria dos produtos embalados em atmosfera modificada, exceto frutas frescas, vegetais e certas carnes, o Oxigênio é excluído ou significativamente reduzido da embalagem.

Entretanto, a presença de algum Oxigênio no início pode favorecer o crescimento de microbiota competitiva como bactérias ácido-láticas e, desse modo, ajudar a prevenir o desenvolvimento de alguns patógenos anaeróbicos.

Alguns pesquisadores verificaram que altas concentrações de O2 têm sido eficazes na redução da microbiota em diferentes alimentos, como por exemplo, cenouras minimamente processadas, pois mantêm seu frescor e diminuem a microbiota durante o armazenamento prolongado.

4. Conservação de Alimentos: Dióxido de Carbono (CO2)

O Dióxido de Carbono é o principal responsável pelo efeito bacteriostático em embalagem de atmosfera modificada.

O efeito bacteriostático gerado pela presença de Dióxido de Carbono é influenciado pela carga bacteriana inicial, pela temperatura de estocagem e pelo tipo de alimento embalado. Seu modo de ação depende da dissolução do gás no produto embalado.

Adicionalmente, o efeito inibitório da embalagem em atmosfera modificada é diretamente relacionado com a quantidade de dióxido de carbono presente.

A solubilidade deste gás é indiretamente proporcional à temperatura de armazenamento, logo baixas temperaturas possuem um efeito sinérgico para a ação bacteriostática do CO2.

Importante salientar que quando o Dióxido de Carbono CO2 se dissolve em água, este acidifica o meio.

Essa acidificação, assim como o efeito antimicrobiano do CO2 nas concentrações maiores que 10-15%, pode suprimir o crescimento de muitos micro-organismos deteriorantes e, por esta razão, esse gás se torna um componente importante da embalagem em atmosfera modificada e conservação de alimentos.

O CO2 é solúvel em água e em gorduras e sua absorção pelo alimento causa pequena redução no volume do gás e, consequentemente, pode ocasionar o colapso da embalagem.

Em alimentos com muita umidade como carnes vermelhas, carne de aves, pescados, a excessiva absorção de CO2 pode causar o colapso da embalagem, fazendo com que o produto fique com uma leve aparência de embalagem a vácuo.

Além disso, embalagens contendo altas concentrações de CO2 podem ocasionar o aumento do exsudato (líquido com alto teor de proteínas) em carne fresca.

5. Conservação de Alimentos: Nitrogênio (N2)

O Nitrogênio N2 é um gás quimicamente inerte, insípido e menos predisposto a acidentes do que os outros gases comumente usados em embalagem de atmosfera modificada.

O Nitrogênio N2 é usado como um gás de enchimento, substituindo o oxigênio O2 como uma alternativa da embalagem a vácuo, visto que, por ser pouco solúvel em água e gordura, é utilizado para limitar o colapso da embalagem causado pela absorção do CO2 pelo produto.

O Nitrogênio N2 tem a característica de se difundir muito lentamente através de filmes plásticos e, portanto, permanece mais tempo no interior da embalagem.

Além disso, retarda a rancificação oxidativa e inibe o crescimento de micro-organismos aeróbios.

A mistura de gases utilizada em embalagem de atmosfera modificada (EAM) de diferentes alimentos depende da natureza do alimento e dos mecanismos prováveis de deterioração.

Quando a deterioração é principalmente microbiana, o nível de CO2 na mistura deve ser o mais alto possível, limitado somente pelos efeitos negativos do CO2 no alimento (por exemplo: colapso da embalagem).

A composição gasosa típica nessa situação é de 30% a 60% de CO2 e 40%a 70% de N2.

Para produtos que são muito sensíveis ao Oxigênio, nos quais a deterioração ocorre principalmente pela rancificação oxidativa, misturas de 100% N2 ou N2/CO2 (se a deterioração microbiana também for importante nesse alimento) são usadas.

Para produtos que respiram, é importante evitar também alta concentração de CO2 ou concentração muito baixa de O2 (para evitar a respiração anaeróbica)

6. Conservação de Alimentos: Monóxido de Carbono (CO)

O Monóxido de Carbono (CO) é incolor, inodoro e insípido. Semelhante ao Oxigênio, o Monóxido de Carbono pode ser usado para reter a cor vermelha da carne bovina. As concentrações de Monóxido de Carbono necessárias são mínimas. No entanto, muito importante checar as legislações locais, pois em alguns países, inclusive na Europa, o uso de Monóxido de Carbono em atmosferas modificadas ainda é proibido em alimentos.

7. Conservação de Alimentos: Argônio (Ar)

O Argônio (Ar) também é inerte, incolor, inodoro e insípido. Com propriedades semelhantes ao Nitrogênio, o Argônio pode substituir o Nitrogênio em muitas aplicações alimentícias. Para alguns tipos de vegetais, existem indicações que o Argônio inibe atividades enzimáticas e reações metabólicas. No entanto, os resultados são inexpressivos e devido ao preço mais alto que o nitrogênio, sua utilização é rara em embalagens.

8. Conservação de Alimentos: Hidrogênio (H2) e Hélio (He)

Hidrogênio (H2) e Hélio (He) também são utilizados em atmosferas modificadas para algumas aplicações. No entanto, Hidrogênio (H2) e Hélio (He) não são adotados visando prolongar a vida útil dos alimentos. Devido as suas reduzidas dimensões moleculares, ambos os gases são utilizados em alguns analisadores para a detecção de vazamentos nas embalagens. Como esses gases não apresentam propriedades que contribuam de forma positiva para os produtos alimentícios e adicionalmente, são caros e difíceis de manusear, seu uso é restrito.

DÚVIDAS em Quais são os gases utilizados na conservação de alimentos?

Qualquer dúvida em relação ao tema “Quais são os gases utilizados na conservação de alimentos ?”, por favor entre em contato. Aproveite e conheça nossa linha de misturadores de gases para conservação de alimentos e embalagem de atmosfera modificada.

Misturador de Gases para Alimentos - Atmosfera Modificada

Misturador de gases dinâmico para a mistura de 02 a 04 gases, com ajuste da concentração dos gases de 0 a 100%, controle da vazão e pressão de saída. Vazão de até 3.6 m3/h.

Misturador de Gases - Atmosfera Controlada - Alimentos

Misturador de gases dinâmico de alto fluxo para a mistura de 02 a 04 gases, com ajuste da concentração dos gases de 0 a 100%, controle da vazão e pressão de saída. Vazão de até 22 m3/h.

Misturador de Gases para Alimentos - Atmosfera Modificada

Misturador de gases dinâmico de alto fluxo para a mistura de 02 a 04 gases, com ajuste da concentração dos gases de 0 a 100%, controle da vazão e pressão de saída. Vazão de até 46 m3/h, 74 m3/h, 97 m3/h e 150 m3/h.